( 14.9.16 ) - - Textos

Você não era amiga de verdade


Estava fuçando no meu celular e encontrei a última mensagem que te mandei enquanto voltada de Florianópolis, você disse que não podia me encontrar no aeroporto porque estava meio ocupada em casa. Tinha acabado de pintar o apartamento de novo naquele ano e estava realmente exausta da faculdade, e eu, invés de ir ver  minha família e o  Tiago achei melhor ir ver você. Estava cansada e morrendo de dor de cabeça,  mas o que era tudo isso para o tamanho da saudade que sentia da minha melhor amiga?

Cheguei no seu prédio, o porteiro me liberou e nem te ligou já que você havia autorizado minha passagem um ano atrás pelo código da minha digital, o máximo que fiz foi apresentar o RG. Deixei as malas na portaria, paguei o Uber e subi no seu andar. Sorridente, feliz e ansiosa para ver a sua reação quando me visse depois de quase quatro meses.

Podia ter batido na porta, eu podia. Mas não fiz porque sabia que a sua mania de deixar a porta aberta nunca mudou. Virei a maçaneta, entrei na sua cozinha e em passos curtos e silenciosos caminhei em direção ao quarto. Péssima ideia.  Seus gemidos eram engraçados, em outras circunstâncias eu teria virado o corpo e ido para casa, mas continuei porque algo me mandava prosseguir. Abri a porta e olha que cena mais linda, minha melhor amiga e o meu namorado. Você precisava de ver a sua reação.  Não sabia se chorava, não sabia se vestia uma roupa ou se me olhava tentando se justificar.

Quando cheguei em casa você me ligou trezentas vezes, era o que? medo de eu contar para o mundo o que eu vi, ou medo de me perder para sempre? Talvez a primeira opção, você nunca se importou com a nossa amizade de qualquer maneira.

Eu podia ter desculpado você. Juro que podia ter esquecido aquela cena horrível e levado em consideração que vocês estavam bêbados  e beijo de bêbado é realmente considerável - pelo menos foi oque você tentou me dizer-, e eu tentei, juro que tentei, mas não consegui porque esperava que isso acontecesse com ele e outra garota mas nunca com você. Amiga. Irmã de outra mãe.

Aqueles teus pensamentos negativos sob os meus sonhos, os segredos que eu te contava e sempre alguém ficava sabendo e em questão de minutos a faculdade toda comentava. Minhas manias de acreditar em você e suas criticas que me colocavam para baixo e que me fazia desistir da metade dos meus objetivos. Seu incrível desejo de sair com o Tiago sempre que eu e ele tínhamos uma discussão na tentativa muito gloriosa de ajeitar as coias e a sua aproximação no nosso relacionamento, puff, tudo faz sentido. E eu fui tão ...  TÃO ingênua.

Você nunca foi real. 

Eu não posso mentir, ainda sinto a sua falta mas ficar sem você é realmente bom, sabe? Mudei tanto, cresci tanto, parece que evolui também. Não tenho mais vontade de te ligar para contar uma novidade ou chorar no teu colo sempre que uma bomba estoura em minhas costas. Não sinto mais necessidade de te chamar para fazer uma noite do pijama ao som de Jazz e pipoca.  Por mais falta que você me faça, eu aprendi que viver sem você é progredir, aprendi o que significa uma amizade calma e sem tempestades, com a Monique, a mesma garota que você plantava a semente da discórdia todas os finais de semana, e aprendi a guardar metade dos meus sonhos até que eles sejam realizados.

Aprendi com você quando você aprendeu que não tem caráter.

Ah, e o Tiago:  Ele me liga até hoje, manda flores e me chama para jantar no JAPA. Só para você saber, não estamos juntos, me dá tanto nojo... Mas é aquilo, você foi só uma curtição de alguns meses, quando acabou, foi descartada, a sensação é horrível mas você deve estar acostumada, amiga, não fui a primeira e nem serei a última, mas não se preocupe, o seu segredo continua guardado a sete chaves, afinal, caráter me sobrou, espero que um dia aprenda como é ter um.

( 12.9.16 ) - como usar

Look do dia: Vestido azul+ sapatilha amarela

Que saudade eu estava de postar as roupinhaxxxxxxxxxxxxxx de #quaseumlook haha aqui no blog! Se você me acompanha desde o começo de tudo deve lembrar que eu era mais pra lá do que pra cá com essa coisa de look do dia, mas olha aí, acho que estou amando fotografar as roupas  baratinhas que uso no dia-a-dia hehe.

O "look" de hoje é bem fresquinho, aqui em São Paulo o tempo anda meio louco, ao mesmo tempo que faz 30 graus de manhã, a tarde já está 10 graus e nubladerrímooooo, ou seja, é meio difícil encontrar uma roupa para usar nessa cidade louca.
Compus essa  peça com uma sapatilha amarela (que amo super) e um cardigã roxinho da mesma altura do vestido ( que não apareceu na foto - porque estava calor quando tirei essas do post e esqueci de mostrar pra vocês), mas ficou beeeeem legal.  Vou postar no instagram essa semana, daí, cê vê melhor como ficou, tá?










Eu ainda estou pegando o jeito haha e desculpem pela qualidade, não está 100% porque tirei com o meu celular <3 Edição foi feita no VSCO,  que por sinal ainda estou procurando os melhores efeitos que se encaixem no blog, ou sejaaaaaaaaaa, um dia chego lá para essas coisas que vocês amam tanto ver fique 100%, tá?

                           Vestido: Sem Marca, comprei na 25 de março (R$ 35,00) | Sapatilha: Beira Rio

Quero saber o que você achou!! Me conta nos comentários.  
( 9.9.16 ) - bienal do livro

Como foi a Bienal do Livro 2016

A 24ªBienal do Livro 2016 aconteceu entre os dias 26 de agosto a 4 de setembro no pavilhão de exposições do Anhembi e este ano, estava repleta de atrações. Confira agora minha análise geral sobre o evento:

1-      Estrutura

Acho que o primeiro ponto a se notar sobre o evento é a estrutura. Ficou muito claro o quão grande a bienal se tornou e o quanto investiram nesse ano. Geralmente, nos anos anteriores, um ambiente melhor elaborado se restringia mais às editoras maiores, mas dessa vez, até algumas editoras menores estavam com uma produção bem legal. Era visível desde a entrada que, diferente do que muitos falaram, o foco era sim os livros – e estavam lá adereços, estampados para todos verem e brincarem – como por exemplo o trono de ferro e a estação 9 ¾ . Claro, não é nenhuma Comic Con Experience, mas achei que conseguiram equilibrar bem o lance de ter entretenimento com a “feira de livros”.
Legal é o modo como foi organizado: você se sente em uma espécie de jogo, onde a aventura é explorar aquele imenso local. Ir na bienal é dar uma de Dora Aventureira e sair por aí olhando livros e estandes, e claro, pegando muitos marcadores de páginas.

2-      Livros e preço
Isso é muito óbvio né, uma feira de livros tem que ter livros. Mas o que me surpreendeu foi a variedade: tinha desde cordel a livros de medicina.  Com certeza os livros de youtubers eram destaque, porém, quem quisesse pesquisar mais, facilmente encontrava uma boa variedade de opções. Sério, eu não tô exagerando, tinha de tudo! Até livro de sexo (aliás, principalmente de sexo).
ENTRETANTO, e olha que esse entretanto é com letras maiúsculas e garrafais, os preços estavam um tanto quanto inflacionados. A crise veio, bateu forte e continua batendo até não poder mais. O mercado editorial tá sofrendo viu, ou talvez seja só mercenarismo. Não sei, mas isso torna a coisa contraditória, pois, enquanto feira de livros, acaba-se minimizando o aspecto de feira. Você tem lá trocentas opções e descobertas novas, mas o preço, comparado com a internet, é nitidamente abusivo. Vale a pena se você não tem problema em gastar, mas do contrário, serve apenas como vitrine mesmo.
Ah claro, vez ou outra encontrávamos um point com “todos os livros por 10 reais”, mas pareciam mais como sebos e não eram livros tão interessantes. Você tinha que garimpar BASTANTE para achar algo em conta.
Nesse sentido, acabou sendo um ponto favorável para os autores independentes e nacionais, que conseguiram obter destaque.

3- Autores nacionais
Essa é a Ana Beatriz Brandão
Talvez pelo fato de eu ter ido com uma amiga que é parça de meio mundo do mercado editorial, foi interessante ter contato com autores independentes. Lógico, sou tímido, então não saí conversando com meio mundo, porém, essa bienal foi importante para os novos escritores. Nunca tinha visto isso – realmente fico muito feliz, pois me lembro quando esse movimento começou, lá em meados dos anos 2000 e como era de nicho. Agora, de repente, uma editora como a Arwen tem um estande próprio e bastante visitado, com autores de destaque, como Camila Pelegrini, Ananda Veloso e Camila Deus Dará – sem contar no simpaticíssimo Eder Transkini com a sua série de livros, Stânix. Em contraparte ao movimente do mainstreim, aqui o preço tava bem legal, não só na Arwen como nas editoras ao lado, seja de livros ou HQ’s (as vezes os dois), como a Balão Editorial. Se me perguntassem há alguns anos, jamais afirmaria que um movimento de literatura fantástica se formaria no Brasil – sim galera, ele existe! E está cada vez mais forte.
Nem preciso falar da divosa Ana Beatriz Brandão, que infelizmente não pude ver (fui no último final de semana), mas sei que arrasou no lançamento do seu terceiro livro: O Garoto do Cachecol Vermelho.
Então, se de um lado tinha crianças e adolescentes berrando para ver a Kéfera, do outro tinha um movimento, talvez um pouco tímido, mas significativo, envolta da produção nacional.
Não sei o que dizer, apenas sorrir. VAI BRASIL!

4- Muitas atrações
Ficou nítido que o foco da bienal nesse ano foram os youtubers. Isso é bom, isso é ruim? Não sei, difícil falar sobre. “ah como assim não sei, Maeister seu boboca, livros de youtubers são horríveis”, bom, primeiro é difícil dizer o que é bom ou ruim de forma tão generalizada, mas podemos afirmar com toda certeza: são livros de youtubers pagam as contas. Como fui no final do evento, não pude encontrar nenhum “famoso” da internet, mas era nítido a diferença apenas no público que passava: diversas crianças com livros como o do Rezende Evil. Entretanto, de acordo com as minhas fontes, a maioria das palestras foi bem... Vazia. Eu já esperava, mas enfim, era aquela coisa, um bate-papo descompromissado cheio de “desafios” maneiros de interação entre o autor e o público.
Tirando essa pegada mais de ‘entretenimento’, tivemos muitas opções, principalmente palestras, seja com filósofos ou autores internacionais (olha só...). A sessão de autógrafos então, foi uma das mais diversificadas (chegando a ser bizarro, Valesca Popozuda e Larissa Manoela. WTF?), com um sistema prático de atendimento. Quem quisesse ser atendido com antecedência, podia tirar a senha no site ou, como qualquer ser humano com muita paciência, esperar na fila. Vez ou outra percebi que o tema se distanciou, mas a coisa girou envolta dos livros, seja superficial ou profundamente.
Interessante essa tática de dar entretenimento para o público em geral e ainda atender as necessidades dos bookaholics e o pessoal do meio editorial. Realmente, se torna um evento para todos as idades.

Conclusão
O saldo final da Bienal do Livro 2016 é positivo, ainda que haja alguns problemas aqui e ali. Se você estivesse com fome, iria se deparar com uma praça de alimentação sem muitas opções e cara, coisa que, assim como os livros, não valia a pena comprar. Entretanto, tirando esse problema da inflação, a estrutura ao todo era ótima, atendendo todas as necessidades (pelo menos as minhas, ainda que faltasse mais instalações para o pessoal sentar, ficar confortável e talvez, até ler ali mesmo).
Vale a pena o ingresso por 25 reais? Dentro do limite, acredito que ainda vale. Por fim, para quem gosta de interagir e de conhecer coisas novas, foi ótimo. Que a bienal cresça cada vez mais, mas que continue atendendo o público em geral, com foco nos fãs de livros. A maior crítica mesmo fica para os preços. Anyway, eu fico por aqui e espero que tenha gostado do post.
Mas antes de ir embora, me diz aí - o que achou da bienal?

El Psy Congroo.

*Maeister é redator e dono do site Divisão Paralela, sobre análises a respeito da cultura pop nerd e underground. Para mais informações, acesse: divisaoparalela.com.br ou curta a página no facebook: divisãoparalela
( 7.9.16 ) - -filme

3 filmes adolescentes para você assistir no feriado


Se você é de SP já deu para notar que o dia hoje vai ser beeeeeeeem frio e molhado haha, acordei com trovões no céu e me molhado porque dormi com a janela aberta.
Pensando nisso, já que não vamos fazer nada de muito legal neste dia de meu sorvete, está aqui três dicas de filmes para você passar o tempo. E se você não é de SP, está aqui três filmes para você passar o tempo haha. Amo vocês.

***

A MENTIRA:

Como em todos os filmes adolescentes este segue o mesmo drama - eles sempre ficam juntos no final-, mas é aquela coisa, o enredo desta história é um tanto quanto louca. O filme já começa com a Olive (Emma Stone) que arrasa em todos os filmes hehe, contando como tudo começou. No todo,  Olive é uma garota invisível na escola que se torna visível de um jeito não muito recomendado. É legal, eu prometo.
E  NÃO SIGAM O EXEMPLO DE OLIVE!




D.U.F.F

Primeiro que Bella Thorne está no elenco e ela não é garotinha, por sinal, obrigada haha. O filme é manjado, como todoooooooos os outros e eu vivo falando isso, mas é beeeem legal. A história começa quando Bianca (Mae Whitman) descobre que é uma D.U.F.F ((Designated Ugly Fat Friend) - e existe realmente esse termo, procurei no google-, DUFF basicamente é: Uma garota "feia" que serve de ponte para amigas bonitas serem ainda mais bonitas (???????).   
Daí, BIANCA, revoltada, conversa com o capitão do time da escola e pede para que ele a torne linda e popular, o final é bem legal, assistam! Ahh e ele é mega atual, de 2015.
 e tem no netflix.



GAROTA MIMADA:

Esse filme é beeeeeem antigo, mas é legal. Acho que a maioria de vocês já devem ter assistido, mas, não custa documenta-lo aqui haha, para quem ainda não viu.
Garota mimada é a história de Poppy More (Emma Roberts) uma garota rica, que perde a mãe e fica louca quando o pai diz que irá casar novamente.
Daí, ela é mandada para um colégio interno só de meninas, toda rebelde, causa confusão e tenta a todo o custo sair daquele lugar. PORÉM, como num belo filme adole haha, ela percebe que seus verdadeiros amigos estão naquela lugar, descobre mais sobre a sua vida e até um amor pra chamar de seu. Ele é bem divertido.



Ah, e quem tiver filmes diferentes para indicar, deixe nos comentários, tô precisando de coisa nova haha.

AH, E GALERA, ME ACOMPANHEM NO INSTAGRAM, ESTOU USANDO A NOVA FERRAMENTE DO SNAP NO INSTA. O user é: @mony_hack.